A procura por armas acelerou no Nordeste, mas ter a posse requer muita burocracia e dinheiro

A procura por armas acelerou no Nordeste, mas ter a posse requer muita burocracia e dinheiro

16 de janeiro de 2019 0 Por Daniel Santos

Informações preliminares dão conta de que desde ontem a procura por armas em casas especializadas de vendas em todo o Nordeste aumentou bastante. Porém, as regras são burocráticas e inibem os que buscam ter a posse.

Levantamentos feitos pelo Blog do Luis Cardoso apontaram que a procura maior, desde ontem, estão sendo  nas cidades de Fortaleza, Recife, Salvador e Teresina. Em São Luís a manifestação ainda é tímida.

Para conseguir a arma e guardá-la em casa, o cidadão, além de preencher uma série de requisitos, terá custos com o instrumento, que não custa menos de R$ 2 mil, além do curso de manuseio e o certificado. Tudo gira em algo de R$ 4 mil.

Abaixo as nova regras:

Quem pode solicitar a posse?
Agentes públicos e militares;
Moradores de área rural;
Residentes de áreas urbanas nos estados com mais de 10 homicídios a cada 100 mil habitantes por ano (isso implica todas as unidades da Federação);
Donos de comércio ou indústria;
Colecionadores registrados pelo Exército.

Quantas armas podem ser adquiridas?
Cada cidadão pode ter até quatro armas de fogo;
Caso comprove a necessidade, poderá adquirir mais.

Comprovação de necessidade
Quem quiser ter armas, terá de provar que realmente necessita;
Terá de comprovar a idoneidade;
Mostrar que tem capacidade psicológica para manter o armamento.

Renovação do registro
O prazo para renovação do registro da arma saltou de cinco para 10 anos.

Local seguro
Todas as pessoas que moram em residências com crianças e pessoas com necessidades especiais deverão comprovar que possuem um local seguro para guardar a arma;
O cofre deve possuir tranca.

Regras mantidas:
Ter mais de 25 anos;
Apresentar documento comprobatório de ocupação lícita e de residência certa;
Comprovar capacidade técnica e aptidão psicológica;
Não fazer parte de organização criminosa;
Não responder a processo criminal e não ter condenações;
Não fazer declarações falsas no pedido.

Via Luís Cardoso