Na gestão de Luciano Genésio, a saúde do município de Pinheiro vive o pior momento da história

Na gestão de Luciano Genésio, a saúde do município de Pinheiro vive o pior momento da história

3 de novembro de 2020 0 Por Daniel Santos

A saúde da cidade de Pinheiro nunca andou muito bem das pernas, mas teve seu quadro piorado com a gestão de Luciano Genésio.

Muitas promessas foram feitas como as reformas, ampliações e adequações, Hospital Materno Infantil e Antenor Abreu, Samu e postos de saúde, logo nos primeiros meses de governo, além da ampliação da equipe médica.

Prometeu e nada foi feito. Podemos aqui elencar além de descaso as inúmeras arbitrariedades cometidas na saúde.

Pinheiro tem um único médico clínico geral para atender todo o município e dois hospitais de competência dele: Antenor Abreu e o Materno infantil. Ambos totalmente desassistidos.

Faltam medicamentos básicos, instrumentos cirúrgicos e acreditem, os hospitais passam cerca de 10 dias no mês sem anestesistas e sem o carro de anestesista o que impossibilita a realização de cirurgias de toda natureza. Levando à óbitos muitos pacientes.

Muitas cirurgias que seriam de responsabilidade do hospital municipal que é considerado um polo de urgência e emergência, são transferidas para o Macro Regional, estabelecendo um curioso conluio já que a empresa de cirurgiões responsáveis do hospital estadual é de propriedade da então deputada estadual Thaiza Hortegal.

Veja o vídeo e áudio de pacientes revoltados com a falta de atendimento –