Pânico – Ônibus é apedrejado por vândalos entre os Municípios de Mirinzal de Central do Maranhão

Pânico – Ônibus é apedrejado por vândalos entre os Municípios de Mirinzal de Central do Maranhão

27 de junho de 2021 0 Por Daniel Santos

Pânico, foi o que os passageiros da empresa Araujo Transportes vivenciaram na noite do último sábado (26), entre os municípios de Mirinzal e Central do Maranhão, pois segundo os passageiros, muitas pedras foram jogadas por vândalos contra o ônibus que trafegava na Rodovia Governador Antônio Dino (MA 006) sentido a cidade de Pinheiro.

De acordo com as informações de quem vivenciou a realidade triste, o momento foi de pânico e insegurança, pois duas janelas da poltrona 09 foram quebradas pelas pedradas, com a ação muitas pessoa temiam que o ônibus fosse tomado pelos vândalos, como já aconteceu em outros momentos na região, e todos os pertence dos passageiros foram levados, assim em outro momento entre as cidades de Serrano do Maranhão e a cidade de Cururupu, um ônibus foi forçado a parar na rodovia, mas o motorista tentou escapar do bloqueio dos bandidos e os mesmos alvejaram o motorista no rosto, uma van também já foi tomada de assalto também nos mesmo perímetro e o motorista baleado na perna.

Muitas pessoas estão com medo de viajarem durante a noite, pois em alguns perímetros são considerados perigosos e a atenção tem que ser redobrada, tanto dos motoristas quantos dos passageiros. Já teve períodos em que a polícia militar escoltava os ônibus para alguns lugares considerados seguros por medo de várias vidas serem colocadas em risco.

A falta de fiscalização na MA 006, associada as paradas dos ônibus e outros meios de transportes nas comunidades tem facilitado as ações dos vândalos.

Após o ataque, o motorista do veículo que não teve o nome revelado, levou o ônibus até a delegacia de Polícia Civil da cidade de Pinheiro, onde informou do farto e solicitou a respectiva identificação dos acusados.

Entramos em contato com a empresa Araújo Transportes, mas não conseguimos retorno até o momento, fica aqui o espaço para possível manifestação.

Por Cláudio Mendes