Baixada Maranhense – Fim de semana é marcado por homicídio em Viana e prisões nas cidades de Cajapió e São João Batista

Baixada Maranhense – Fim de semana é marcado por homicídio em Viana e prisões nas cidades de Cajapió e São João Batista

23 de setembro de 2019 0 Por Daniel Santos

O fim de semana foi marcado por várias prisões e um homicídio nas cidades da Baixada Maranhense. Pelo menos uma pessoa morreu e 09 foram presas nas cidades de Viana, Cajapió e São João Batista. Este último envolvendo Meio Ambiente.

Na cidade de Viana, um jovem foi encontrado morto por volta das 2 horas deste domingo, 22, no povoado São Cristóvão. A vítima foi identificada como Ramon De Jesus Saraiva Mendes, morador da rua do estádio, de 23 anos. Segundo a polícia, populares contaram que ele teria sido atingido com três tiros.

Ainda segundo as informações da polícia, dois indivíduos cometeram o crime. A vítima foi levada para o necrotério ‘Memorial São José’, com uma perfuração de projétil de arma de fogo no flanco direito da região torácica. Em Cajapió, um homem foi conduzido para a delegacia após querer entrar em um evento dizendo que era policial.

Identificado como Wellington Dauneny Lindoso, ele ainda teria ameaçado o chefe de segurança do evento, Elenildo Alves Silva, e foi autuado por ameaça. O caso aconteceu também na madrugada deste domingo, no povoado Bom Jardim, no pesque e pague ‘Nossa Senhora Aparecida’.

O acusado, segundo a PM, se identificou como policial e não queria ser revistado. Wellington ainda teria dito que iria pegar sua arma e voltaria para o local, mas foi abordado pela Polícia Militar e mesmo após isso, ainda continuou dizendo que ninguém iria colocá-lo dentro de uma viatura, pois teria prerrogativas. Um celular foi apreendido, mas pelas informações passadas ao blog, não foi possível confirmar se de fato se trava de um PM.

Em São João Batista, um grupo de 8 pessoas foi preso em flagrante por invasão de propriedades do município. Segundo o delegado, Mateus Ferraz, as prisões aconteceram no povoado Vertente, no terreno da antiga Granja. Além disso, eles responderão por crimes ambientais.

No momento da prisão, eles estavam colocando fogo no mato e continuam presos até o fechamento desta matéria. A prefeitura de São João Batista informou que o terreno não é mais do município e que foi doado à um ONG para a construção de 150 casas populares.

Com informações do blog do Jailson Mendes